SE VOCÊ FOSSE SE DEMITIR

Qual sua resposta (bem sincera!!!) para a pergunta do post?

Pode ser desconfortável, mas é uma forma de você se autoavaliar. Imagine-se como seu gestor justificando sua demissão. Que atitudes e competências (ou falta delas) podem te levar a uma demissão.

Por que acho isso importante? Não é nem para você pensar no pior, nem para entrar em paranoia, ao contrário, é para que você verifique se não se acomodou em alguma rotina ou forma de gestão.

Será que se sua chefia mudasse amanhã, sua vida continuaria a mesma? Se você fosse para outra empresa, fazendo a mesma coisa, estaria tranquilo por lá também?

Então, aproveite esse exercício para refletir se tem algo que você queira mudar e já entre em ação.

PROFISSIONAIS 50+

50+

Se você tem mais de 50 anos e está com disposição pra trabalhar e mostrar o seu valor, aproveite essa onda dos 50+. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

As coisas mudaram e muitas empresas estão com oportunidades bem legais. Tem até programa de trainee para quem está se formando agora, aos seus 50 anos de idade.

Fiz esse resumo com algumas dicas para você não ficar de fora.

OBSERVAR SEM JULGAR

texto observar

Sempre fui muito observador, daqueles que prestam atenção aos detalhes, aos comportamentos e atitudes dos que estão a minha volta. 

É algo automático, talvez algum processo criado para minha “defesa”, não sei, mas é bem natural e espontâneo. Costumo brincar que ao entrar num lugar, eu meio que escaneio o ambiente. Como acontecem nos filmes com robôs, que sai a luz verde dos olhos, mapeando todo o lugar.

Entendia isso como algo bom até que dar conta que junto com a observação, tinha o julgamento. 

A grande mudança veio da minha consciência de que eu ia colocando tudo que observava em caixas mentais de  #certo ou #errado.

E veja que absurdo. Na prática era o que achava que era certo ou errado a partir do que eu achava que estava vendo ou entendendo. Cruel comigo e com os outros.

Louco demais, concordo, mas era assim até me dar conta e refazer meu mapa mental. Observar sim, julgar não. E isso me fez um bem tremendo. Primeiro porque ignoro a grande parte das coisas que são corriqueiras e sem valor, e segundo, porque o que é realmente importante para mim, tento conhecer os motivos e razões daquela pessoa.

Confesso que as vezes o julgamento “se joga” na minha mente, mas rapidamente eu “jogo” ele pra fora. Risos.

E viva nossa possibilidade e capacidade de melhorar, mudar, crescer, amadurecer e superar.

OS VENCEDORES TÊM METAS, OS PERDEDORES TÊM DESCULPAS

É clichê, mas é fato. Ainda que meu desejo fosse por coisas mais fáceis, mais simples, não é assim na vida real.

Nada acontece por acaso. Tudo é fruto de planejamento, de esforço, suor e trabalho duro. Sem disciplina e foco, precisaremos das desculpas.

Até tentei buscar sucessos na minha vida que tivessem acontecido sem esforço, mas não consegui. Ao mesmo tempo, achei infinitas desculpas para tudo que não deu certo. Culpei os outros, as situações, o momento, a economia, a situação política do país, a incompetência de uns e outros.

Culpar é fácil e gostoso. É tipo transferir a titularidade de algo ruim para alguém e pronto. Tudo resolvido. Não é mais seu. Mas … isso não traz nada de bom. Não traz resultados e nem alegria duradoura.

Me esforço para colocar metas nas coisas que quero conquistar. É chato pra caramba e bem trabalhoso. Tem que planejar, colocar metas reais e ao mesmo tempo desafiadoras, tem que acompanhar, tem que se dedicar, mas essa é a receita que funciona. Não tem mágica.

A coisa boa é que quando a conquista acontece a sensação é indescritível. Uma ideia de “sou fodão e agora ninguém me segura”. Nessa hora entendemos nosso potencial, nossa capacidade de realização. E essa sensação que precisamos usar como combustível para os próximos desafios.

E vamos que vamos !!!!