OS VENCEDORES TÊM METAS, OS PERDEDORES TÊM DESCULPAS

É clichê, mas é fato. Ainda que meu desejo fosse por coisas mais fáceis, mais simples, não é assim na vida real.

Nada acontece por acaso. Tudo é fruto de planejamento, de esforço, suor e trabalho duro. Sem disciplina e foco, precisaremos das desculpas.

Até tentei buscar sucessos na minha vida que tivessem acontecido sem esforço, mas não consegui. Ao mesmo tempo, achei infinitas desculpas para tudo que não deu certo. Culpei os outros, as situações, o momento, a economia, a situação política do país, a incompetência de uns e outros.

Culpar é fácil e gostoso. É tipo transferir a titularidade de algo ruim para alguém e pronto. Tudo resolvido. Não é mais seu. Mas … isso não traz nada de bom. Não traz resultados e nem alegria duradoura.

Me esforço para colocar metas nas coisas que quero conquistar. É chato pra caramba e bem trabalhoso. Tem que planejar, colocar metas reais e ao mesmo tempo desafiadoras, tem que acompanhar, tem que se dedicar, mas essa é a receita que funciona. Não tem mágica.

A coisa boa é que quando a conquista acontece a sensação é indescritível. Uma ideia de “sou fodão e agora ninguém me segura”. Nessa hora entendemos nosso potencial, nossa capacidade de realização. E essa sensação que precisamos usar como combustível para os próximos desafios.

E vamos que vamos !!!!

IMPROVISO IMPRÓPRIO

CLAPA CARD

Saca aquelas 13 formas de melhorar o sinal do wi-fi?

Eu fiz umas 50. Impressionante como eu gastei meu tempo fazendo issos e aquilos que indicam nesses sites. Nada funcionava. Ao menos do jeito que eu precisava.

Esses dias fiz algumas mudanças aqui em casa para preparar meu escritório pois precisava de um espaço reservado para meu trabalho e atendimento de clientes. Tudo perfeito e bem organizado exceto o tão necessário sinal da internet.

Engraçado é que meses antes coloquei internet de fibra ótica, velocidade alta por conta dos atendimentos via Skype, mas esqueci da questão do alcance do wi-fi. E foi por isso que parti para tentar todas as infinitas e pouco confiáveis soluções para ampliar o sinal. Uma perda de tempo!

Até que semana passada cansei e comprei o cabo de rede para deixar de depender do wi-fi. Ontem instalei e tudo resolvido. Confesso que deu certo trabalho passar o fio por conduítes, telhado etc, mas depois disso, tudo passou a funcionar perfeitamente e, melhor, definitivamente.

Agora eu me pergunto: Por que não fiz isso logo que identifiquei que o sinal não era suficiente? Por que não busquei uma confiável (e técnica) solução? Por que tanto tempo perdido tentando as gambiarras?

Não tenho uma resposta. Talvez por achar que seria mais fácil. Talvez por acreditar que seria experto para resolver com aquelas soluções. Não sei.

Mas uma certeza conquistei: A de que a droga da gambiarra é uma perda de tempo. É tentadora, mas fraca, ineficiente e temporária. Parece rápido e inteligente, mas na prática é o oposto disso.

Bom, consegui tirar o aprendizado e rever conceitos. Isso foi importante e grande ganho.

FAÇA OU NÃO FAÇA!

card clapa

Quando vi essa frase do Mestre Yoda, lembrei logo do meu sogro dizendo “ou caga ou desocupa a moita”. E resolvi batizar esse dito popular como a perfeita tradução do que disse o Yoda.

Tudo bem que a do Mestre é bem mais botinha e polida, mas a brasileira é bem direta e deixa o recado de forma bem simples. Ninguém pode dizer que não entendeu.

Nesse ano quero fazer mais e tentar menos. Chega de ficar pensando se isso, se aquilo … Quantas coisas deixamos passar por pensar demais, esperar demais, se preparar demais … Vamos ser hoje, agora, nesse momento. 

Comecei o ano mudando alguns hábitos e um deles é na alimentação. Chega de comer porcarias como se não entendesse as consequências. Basta de dizer não para algumas comidas pela simples ideia de que acho que não gosto. Vou experimentar. É saudável, faz bem? Então bora começar a incluir na dieta. De pouco em pouco, mas fazendo presente nas refeições. 

Tem algo que sempre escutei que era bom, que fazia bem, que era gordura isso e aquilo e nunca consegui encarar. O tal do abacate. Nunca comi abacate como sobremesa, imagina como salgado, como parte das refeições. Eca! Era só o que eu dizia. Agora eu como. Pouco, disfarçado, mas tá lá. Cada um fazendo a sua parte. Eu comendo o tal do abacate e ele trazendo os benefícios importantes para a minha saúde. Ainda não acho bom, mas como. Não estou “tentando” comer abacate, estou fazendo, ou seja, comendo. 

Existem outros desafios como encarar o vídeo. Não tenho problemas de falar em público, ao contrário, gosto muito, mas o tal do vídeo ainda não é algo natural para mim. E vai acontecer. Comecei preparando um espaço, melhorando a internet e logo isso acontece. 

Se tem algo para começar, aproveite o começo do ano e faça acontecer. Chega de esperar. A hora é agora. Esse é o melhor momento.

DESCOBERTAS

DESCOBERTAS Por muitos anos achei diversas profissões e funções que eram a “minha cara”. Trabalhei com importação, com faturamento, com atendimento, com vendas, com recursos humanos … Cada mudança entendia que aquela sim era minha profissão. Tinha nascido para aquilo.

Por muito tempo também, acreditei que isso era coisa da idade. Inconstância da juventude ou influência do signo, afinal todos dizem o que os arianos começam algo e logo se encantam com outra coisa.

Com o passar dos anos, com maturidade, com novos conhecimentos e, principalmente com a certificação de Coach, entendi que eu gosto é do contato com as pessoas. Gosto de entender suas histórias, de saber das suas necessidades. Gosto de supreendê-las positivamente. Me encanta cada dia mais “entender” de pessoas e ter a chance de simplificar as coisas, melhorando relacionamentos e reduzindo conflitos.

Dessa forma, na importação, no faturamento, nas vendas, no atendimento, nos recursos humanos, estava realizado, pois eram profissões ou atividades que me permitiam essa interação. E não interações simples, mas interações onde eu precisava levar soluções. Essa foi uma outra grande e importante sacada. Gosto de entregar soluções.

Claro que nem sempre a solução que a pessoa do outro lado deseja é possível (seja por regras, seja por limitações da empresa), mas sempre me esforcei para dizer o que precisava ser dito seguido de possibilidades próximas ao que a pessoa (ou cliente) precisava.

E fica aqui o meu convite para que você também reflita sobre suas “pescarias” e entenda qual é o “peixe” que você quer.

QUEM VOCÊ VAI LEVAR PARA 2018?

four-people-sitting-in-cardboard-boxesE logo um ano se encerra e um novo começa a acontecer e a minha pergunta para você é: Quem você vai levar para 2018?

Pode soar estranho, entendo, mas o processo é bem parecido com aqueles de arrumação de armários e cômodos da casa. Isso mesmo, aqueles que você separa o que vai jogar fora, o que vai doar e o que vai guardar.

Está rindo, né? Mas é isso mesmo. Essa última semana do ano é perfeita para realizar essa tarefa.

Vamos começar? Você pode fazer mentalmente ou com papel e canetas coloridas. O que não pode faltar é algo que defina quem vai pro lixo – cor vermelha, quem vai ser doado – cor amarela e, quem vai pra 2018 com você – cor verde.

Sabe aquelas pessoas que trazem caos e confusão? Aquelas que trazem discórdia e as conversas sempre falam de alguém? Se você entende que isso não te faz bem, vermelho nelas. Mantenha distância deixando-as em 2017.

Existem também as pessoas que não cheiram nem fedem. Não te agregam nada e você também não contribui, seja por falta de afinidade ou contato. Esses podem ser doados. Sim, doados. Apresente-os para conhecidos que têm interesses em comum.

E para terminar, aquelas pessoas incríveis, que somam, te fazem crescer e deixam uma ótima sensação de bem estar. Verde neles! Pode embalar e levar para 2018.

Curtiu o exercício? Na verdade, é uma brincadeira para chamar sua atenção para observar quem está ao seu lado, quem te faz bem, quem te faz mal, quem agrega, quem não faz diferença. Aproxime-se, conecte-se. Faça escolhas conscientes. Viva intensamente essas escolhas.

E o mais importante, faça sua felicidade em2018.