OS VENCEDORES TÊM METAS, OS PERDEDORES TÊM DESCULPAS

É clichê, mas é fato. Ainda que meu desejo fosse por coisas mais fáceis, mais simples, não é assim na vida real.

Nada acontece por acaso. Tudo é fruto de planejamento, de esforço, suor e trabalho duro. Sem disciplina e foco, precisaremos das desculpas.

Até tentei buscar sucessos na minha vida que tivessem acontecido sem esforço, mas não consegui. Ao mesmo tempo, achei infinitas desculpas para tudo que não deu certo. Culpei os outros, as situações, o momento, a economia, a situação política do país, a incompetência de uns e outros.

Culpar é fácil e gostoso. É tipo transferir a titularidade de algo ruim para alguém e pronto. Tudo resolvido. Não é mais seu. Mas … isso não traz nada de bom. Não traz resultados e nem alegria duradoura.

Me esforço para colocar metas nas coisas que quero conquistar. É chato pra caramba e bem trabalhoso. Tem que planejar, colocar metas reais e ao mesmo tempo desafiadoras, tem que acompanhar, tem que se dedicar, mas essa é a receita que funciona. Não tem mágica.

A coisa boa é que quando a conquista acontece a sensação é indescritível. Uma ideia de “sou fodão e agora ninguém me segura”. Nessa hora entendemos nosso potencial, nossa capacidade de realização. E essa sensação que precisamos usar como combustível para os próximos desafios.

E vamos que vamos !!!!

FAÇA OU NÃO FAÇA!

card clapa

Quando vi essa frase do Mestre Yoda, lembrei logo do meu sogro dizendo “ou caga ou desocupa a moita”. E resolvi batizar esse dito popular como a perfeita tradução do que disse o Yoda.

Tudo bem que a do Mestre é bem mais botinha e polida, mas a brasileira é bem direta e deixa o recado de forma bem simples. Ninguém pode dizer que não entendeu.

Nesse ano quero fazer mais e tentar menos. Chega de ficar pensando se isso, se aquilo … Quantas coisas deixamos passar por pensar demais, esperar demais, se preparar demais … Vamos ser hoje, agora, nesse momento. 

Comecei o ano mudando alguns hábitos e um deles é na alimentação. Chega de comer porcarias como se não entendesse as consequências. Basta de dizer não para algumas comidas pela simples ideia de que acho que não gosto. Vou experimentar. É saudável, faz bem? Então bora começar a incluir na dieta. De pouco em pouco, mas fazendo presente nas refeições. 

Tem algo que sempre escutei que era bom, que fazia bem, que era gordura isso e aquilo e nunca consegui encarar. O tal do abacate. Nunca comi abacate como sobremesa, imagina como salgado, como parte das refeições. Eca! Era só o que eu dizia. Agora eu como. Pouco, disfarçado, mas tá lá. Cada um fazendo a sua parte. Eu comendo o tal do abacate e ele trazendo os benefícios importantes para a minha saúde. Ainda não acho bom, mas como. Não estou “tentando” comer abacate, estou fazendo, ou seja, comendo. 

Existem outros desafios como encarar o vídeo. Não tenho problemas de falar em público, ao contrário, gosto muito, mas o tal do vídeo ainda não é algo natural para mim. E vai acontecer. Comecei preparando um espaço, melhorando a internet e logo isso acontece. 

Se tem algo para começar, aproveite o começo do ano e faça acontecer. Chega de esperar. A hora é agora. Esse é o melhor momento.