FAÇA OU NÃO FAÇA!

card clapa

Quando vi essa frase do Mestre Yoda, lembrei logo do meu sogro dizendo “ou caga ou desocupa a moita”. E resolvi batizar esse dito popular como a perfeita tradução do que disse o Yoda.

Tudo bem que a do Mestre é bem mais botinha e polida, mas a brasileira é bem direta e deixa o recado de forma bem simples. Ninguém pode dizer que não entendeu.

Nesse ano quero fazer mais e tentar menos. Chega de ficar pensando se isso, se aquilo … Quantas coisas deixamos passar por pensar demais, esperar demais, se preparar demais … Vamos ser hoje, agora, nesse momento. 

Comecei o ano mudando alguns hábitos e um deles é na alimentação. Chega de comer porcarias como se não entendesse as consequências. Basta de dizer não para algumas comidas pela simples ideia de que acho que não gosto. Vou experimentar. É saudável, faz bem? Então bora começar a incluir na dieta. De pouco em pouco, mas fazendo presente nas refeições. 

Tem algo que sempre escutei que era bom, que fazia bem, que era gordura isso e aquilo e nunca consegui encarar. O tal do abacate. Nunca comi abacate como sobremesa, imagina como salgado, como parte das refeições. Eca! Era só o que eu dizia. Agora eu como. Pouco, disfarçado, mas tá lá. Cada um fazendo a sua parte. Eu comendo o tal do abacate e ele trazendo os benefícios importantes para a minha saúde. Ainda não acho bom, mas como. Não estou “tentando” comer abacate, estou fazendo, ou seja, comendo. 

Existem outros desafios como encarar o vídeo. Não tenho problemas de falar em público, ao contrário, gosto muito, mas o tal do vídeo ainda não é algo natural para mim. E vai acontecer. Comecei preparando um espaço, melhorando a internet e logo isso acontece. 

Se tem algo para começar, aproveite o começo do ano e faça acontecer. Chega de esperar. A hora é agora. Esse é o melhor momento.

escolha o melhor caminho

cadaumtemseujeito

Travou? Quer seguir mas não sabe como? Tem ideias mas não as coloca em prática? Tem projetos mas não realiza? 

Será que você não travou tentando seguir um único caminho? 

Muita gente tenta copiar outras pessoas ou seguir por estradas já trilhadas e não se dá conta de que não é a melhor opção para elas. Isso não significa que você tenha que desistir ou que tenha que ficar insistindo em algo que não serve para você.

Existem muitos outros caminhos e opções. Uns mais rápidos, outros mais arriscados, outros mais longos, mas todos levam para o mesmo destino. 

É muito importante que você tenha clareza de onde quer chegar. A partir disso, você verifica quais alternativas estão disponíveis. 

Para simplificar, suponhamos que você está na Zona Norte de uma cidade e decide ir para a Zona Sul. Existem várias opções de transporte e caminhos e claro, cada uma delas oferecerá vantagens e desvantagens. 

Vejamos alguns exemplos:

– se você optar por ir a pé: vai demorar mais, vai cansar bastante, mas se você tem medo de andar de carro ou ônibus, talvez seja a única opção possível.

– se optar por ir de carro próprio: vai ser mais rápido, terá um custo de combustível e estacionamento, mas te dará liberdade de ir e voltar quando entender oportuno.

– se optar por ir de taxi: vai ser rápido e mais caro também, mas se você não dirige e quer ir rapidamente, é uma excelente alternativa.

– se optar por ir de ônibus: vai demorar um pouco mais, vai depender do horário do ônibus e pode estar cheio, mas se você não tem carro e não quer gastar muito, torna-se uma ótima opção.

Percebe que você precisa verificar qual a melhor alternativa para você? O que funciona para uns, pode não funcionar para outros como vimos nos exemplos acima. De que adianta falarmos que o melhor é ir de carro para uma pessoa que não dirige? Ou que valia tem falar que taxi é a melhor opção para quem não tem dinheiro? 

Agora, voltando aos seus objetivos, será que você não está insistindo em ir de carro apesar de não dirigir? Que tal considerar outras opções?

E lembre-se, nada te impede de, mais a frente, escolher outras opções. Amanhã você pode ter o dinheiro para o taxi que você não tem hoje. No futuro pode ter uma nova linha de ônibus, mais vazia, que lhe sirva bem. Algumas coisas surgem, outras você mesmo cria.

Bora rever seu destino e os meios de chegar lá? 

socorro! quero mudar!

espelho

Calma, nem tudo está perdido. Se você conseguiu pedir socorro é porque você se deu conta de que algo precisa ser mudado. E ainda, se tomou essa decisão, sua ansiedade deve estar gritando que, se é pra mudar, que mude logo. Estou certo?

Mesmo sendo repetitivo, direi: “calma”.

Uma mudança exige uma boa consciência do que está se propondo a mudar e também as implicações que surgirão. Vale considerar também o que despertou essa vontade (ou necessidade) de mudar. 

Vamos começar pelo que detonou tudo isso. Foi uma vontade repentina, foi um feedback que recebeu ou foi uma voz interna gritando por uma transformação? Se foi uma vontade repentina, analise um pouco mais para evitar tomar decisões de forma precipitada. Caso tenha sido um feedback, ele deve ter feito eco em você, que motivou buscar mudanças e isso pode dar-lhe forças para seguir. Agora se uma voz interna provocou tudo isso, vai com tudo. Chegou a hora. Provavelmente você estava sufocado e conseguiu se libertar. 

Para o próximo passo, pegue um espelho. Qualquer um, pode ser aqueles de mão ou aqueles maiores, de corpo inteiro. Se olhe! Se encare. Veja o quanto você é grande, o quanto você pode, o quanto você quer. Fale o que quer mudar. Explique para você mesmo a importância dessa mudança. Grite se precisar. Chore se transbordar. Mas encare. Seja firme. Agora é você com você mesmo. Diga as consequências que enfrentará, assuma que precisará se esforçar e se dedicar. Entenda que cansará, que pensará em desistir e que até pensará em sair correndo e sumir. Reforce a crença de que você quer, você pode, você consegue. 

Pronto? Então vamos para mais um passo. Agora escreva o que deseja. SIM !!!! ESCREVA !!! Nada de “está tudo na minha cabeça” ou “não vou esquecer” … Pode colocar tudo no papel – ainda que a tecnologia seja válida, vou sugerir pegar papel e caneta e começar a escrever. Liste tudo que puder sobre essa sua decisão. 

E como fazer tudo isso acontecer? Pode não ser fácil, mas é simples: AGINDO! Você precisa ir à luta. Fazer acontecer. Olhe diariamente sua lista e vá realizando o que está lá. Como você é inteligente e está preparado, sabe que nem sempre vai dar certo, sabe que vai querer “amarelar” e sim, vai ter medo. E sabe o que terá também? Um sentimento incrível e indiscritível de realização para cada passo que concretizar. 

Como numa escada, degrau a degrau você avança. Quanto mais alto, mais bonita a vista do sucesso, mais gostoso o vento da vitória. 

A melhor hora? AGORA! Organize as ideias, pegue o espelho e depois papel e caneta … é tudo que precisa pra começar.

escolha mais, evite menos

choosing

Pare alguns minutos para analisar as decisões que tem tomado e me diga se você ESCOLHEU algo que queria realmente ou se apenas EVITOU algo que não queria.

Muitas vezes pensamos ter as rédeas das situações, nos achamos donos do nosso futuro, mas o que acontece de fato é que estamos apenas evitando algo que entendemos ser pior.

Veja essa situação: Você aceitou trabalhar na área administrativa de uma grande empresa. Você entendeu que o salário é bom e que a empresa oferece boas oportunidades. Agora a questão é: você ESCOLHEU essa empresa porque te aproxima do seus objetivos ou EVITOU ter que continuar batalhando pelo emprego dos seus sonhos?

Percebeu a diferença?

Talvez você não esteja realizando seus sonhos e até postergando sua felicidade.

Reflita um pouco e, se concluir que tem evitado mais do que escolhido, entenda do que você anda desistindo.

Planeje! Veja o que deseja e a onde quer chegar. Feito isso, toda vez que precisar tomar uma decisão, escolha o que te aproxima de seus sonhos, o que te faz caminhar na direção dos seus objetivos.

Ainda que outras opções possam parecer mais fáceis e oportunas, se não te ajudarem a conquistar seus sonhos, esqueça-as.

Cuide de suas escolhas!

 

pense diferente

different

 

Maria queria dirigir, mas não dirige. João queria palestrar, mas não palestra. Joana queria costurar, mas não costura.

Dirigir é tudo que a Maria quer, mas ela pensa nos acidentes na rodovia e nos caminhões. Palestrar é uma vontade grande do João, mas ele só pensa em gaguejar, ficar sem voz, esquecer o texto ou falar alguma besteira. A Joana imagina os tecidos difíceis de costurar, o ponto errado e as críticas às suas criações.

Curioso é que a Maria nunca dirigiu,  João nunca palestrou e a Joana também não costurou.

A Maria, o João e a Joana querem, mas não fazem. Ficam presos em suas assustadoras ideias sobre tudo que pode acontecer de errado. E se o carro enguiçar naquela avenida movimentada? E se me fizerem uma pergunta que não sei a resposta? E se a gola da camisa ficar torta?

Que tal se eles focassem no que querem, no que desejam? E se a Maria se imaginasse dirigindo por uma linda estrada, num dia ensolarado? A sensação seria melhor ou pior que a do caminhão na rodovia? E se o João visualizasse os aplausos ao final de suas apresentações?  Seria mais agradável que a ideia de perder a voz? E se a Joana pensasse na sua criação exposta vitrine de uma loja? Curtiria mais do que o medo da gola torta da camisa?

Nossos personagens tem mais chances de realizar seus desejos empolgados com o sucesso ou temendo o fracasso?

E você? O que quer realizar? Como estão seus pensamentos? Ajuste o foco. Pense no que você quer e faça acontecer.

A insegurança, o medo, fazem parte e nos protegem, contudo, não devem nos imobilizar. Com a prática você se aperfeiçoa e conquista a confiança que deseja.

Enfrentando o trânsito a Maria vai melhorando e se sentindo mais tranquila na direção. Palestrando em diversas oportunidades o João melhora suas técnicas de apresentação, conquistando novos projetos. Costurando a Joana aprimora sua habilidade com os tecidos e a máquina de costura, apresentando novas peças.

Você pode! Comece já.