ESTOU DESEMPREGADO E MEUS CONTATOS DESAPARECERAM

CONTATOS SUMIRAM

Esse post vai gerar polêmica,mas sinceramente, não acho que as pessoas sumam. O que acaba acontecendo é que sua rotina muda e seu emocional fica mais frágil, trazendo uma necessidade de mais atenção. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

E vamos lá né? Não está fácil para ninguém. Quem está empregado, ou está tentando garantir o seu ou está tentando pular fora porque não aguenta mais onde está.

As vagas não estão surgindo toda hora para que alguém nos indique e na atual conjuntura, tem muita gente também pedindo ajuda para seus contatos.

Tudo isso junto e misturado, mais as rotinas corridas, vai afastando as pessoas e dando essa ideia de que todo mundo sumiu.

É claro que tem gente que some mesmo … mas tem muita gente que só não consegue ajudar e por isso fica na sua (e não sabe o que fazer). ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Foque agora nas pessoas que estão por perto, te apoiando e dando aquela moral. O resto é suar a camisa e meter as caras nos contatos, nos anúncios e portais de emprego. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Já já chega a oportunidade que você tanto espera!

c’est la vie

paris
Está começando agora sua vida profissional? Está retornando ao mercado de trabalho? Não sabe como planejar sua trajetória corporativa?

Nesse momento você tem a certeza de que está empregado e certeza alguma sobre seu futuro na empresa?

Nada de pânico. Ainda está tudo sob controle. Você está começando agora e como tudo é novo, o desconforto é natural. Logo você conhecerá melhor as pessoas com quem trabalha, entenderá melhor os fluxos e políticas da empresa e tudo ficará mais agradável.

Agora um ponto importante: você não tem tempo a perder!

Comece a traçar seus objetivos imediatamente. O que pretende nessa empresa? Onde quer estar no próximo ano? Na mesma atividade, em outro cargo, em outra unidade da empresa ou, até mesmo, fora dela? Você tem interesse na área que está ou foi apenas uma alternativa para ser admitido na empresa? Você quer maiores responsabilidades ou nesse momento sua vida fora da empresa não permite maior dedicação? O salário atual atende suas necessidades?

Com essas e outras respostas, você deve traçar seus objetivos e, a partir deles, criar sua lista de tarefas. A palavra tarefa pode assustar, remeter aos tempos de escola, mas é isso mesmo, tarefa.

Imagine que você pretenda crescer na empresa e é uma multinacional francesa do setor financeiro. Talvez conste na sua lista um curso de francês, uma faculdade ou pós na área de exatas, alguns cursos complementares (calculadora HP12C, financiamento etc) ou até mesmo uma viagem para a França para conhecer um pouco mais da cultura.

Com a lista pronta (espero que tenha muitos itens), chegou a hora de priorizar os itens. Você pode utilizar diversos parâmetros: tempo, importância, impacto, custo etc. Usando os exemplos acima, você pode se matricular num curso de francês imediatamente pois são dois dias por semana e com um custo que seu orçamento comporta. Economizar uma quantia mensalmente para sua viagem à França, nas próximas férias e no ano seguinte, começar a faculdade de economia. Você também pode batalhar uma bolsa de estudos e começar pela faculdade, deixando o curso de francês para o ano seguinte. Quem sabe falar francês logo seja uma estratégia para se comunicar melhor com os gringos e com isso, ter um leque maior de oportunidades?

Agora é partir para a ação. Não espere, não protele, não procrastine … seja qual for a palavra que escolher, se não significar AGORA, esqueça. O amanhã é nunca. Você tem que começar a fazer. Voltando ao nosso exemplo, você tem que buscar as opções de cursos de francês, verificar localização, mensalidade, duração, referências e tudo mais pertinente ao tema. Você já pode descobrir datas dos vestibulares, entender como são os processos de bolsa de estudos da faculdade ou do governo. Ainda pode se informar sobre passaporte, necessidade de visto consular, preços de passagens e de croissants.

Talvez, com o resultado dessa última pesquisa, você reordene a prioridade. Não há problema, mude a ordem, mas siga com as ações. Se optou por fazer primeiro o curso de francês, comece. Matricule-se e bons estudos. Dedique-se! Não faça por fazer, faça pelo propósito que o fez tomar a decisão de fazer o curso.

E siga em frente. Pode ser devagar, mas não pare. Revise constantemente a lista. Inclua alguns itens, altere o que for necessário, mas não desista.

Desanimou? Permita-se. Entenda o motivo e renove suas energias! Pense no que planejou para o seu futuro e na satisfação que terá quando conquistar.

peça demissão

Vector illustration  Boss kicks out his employee

Está insatisfeito com seu trabalho? Não gosta do que faz? Seu chefe é ruim? Demita-se!

Está chocado né? Mas é isso mesmo, demita-se.

Agora é a hora que você começa a pensar coisas como “aqui é ruim, mas só saio se achar coisa melhor”, “não gosto daqui, mas tenho contas para pagar”, “sair nunca, se quiser que me demitam” e tantas outras parecidas.

Bom, se pensa assim, pare de reclamar. O problema, se existe, está com você. Não importa quantas vezes mude de emprego, logo você estará repetindo a mesma ladainha.

Está faltando você tomar as rédeas da sua vida. Não deixe a vida te levar. Decida para onde quer ir. Assim como numa viagem, escolha o destino e comece a tomar as providências para o embarque.

Demita-se das suas desculpas, dos seus velhos hábitos, das rotinas improdutivas, dos lamentos constantes. Comece um novo curso, aprenda uma nova profissão ou atividade. Descubra destinos interessantes para suas férias. Aproveite melhor seu tempo livre. Faça coisas por você, que tragam satisfação ou realização. Faça tudo valer a pena.

Tudo será lindo e maravilhoso? Provavelmente não, mas que sentido faz investir tanta energia para algo que não é bom? Foque nas coisas que são boas, que fazem sentido, que você quer que se repitam e que melhorem ainda mais.

Experimente olhar mais para as coisas boas do que faz atualmente, olhando para as coisas ruins.

Seu chefe é ruim. OK. Considerando que ele é assim, o que você pode fazer para diminuir os problemas? O que você pode fazer para que, suas atitudes te afetem menos? Que comportamentos você pode adotar para facilitar o relacionamento?

Seu emprego é estafante. OK. O que você pode fazer para se distrair nos momentos de folga? Que atividade te trazem tranquilidade e bem estar? Que hobby você pode começar? Que clube, grupo ou associação você pode começar a frequentar para encontrar pessoas diferentes?

Não transfira para os outros a responsabilidade sobre sua felicidade. Apodere-se dela. Isso não é delegável.

Você pode não concordar com o que estou dizendo, mas, pensando como você pensa agora, o que mudará para melhor nos próximos dias em sua vida? Penso que nada, certo? Tudo ficará como está. Então, experimente. O risco é você ficar feliz!

mudar ou melhorar de vida?

mudar ou melhorar


Você tem um amigo que melhora, melhora e continua reclamando? Eu tenho.

Estava começando a julgá-lo conforme meus valores e crenças quando percebi o erro e parei imediatamente.

Reformulei. Busquei entender o que se passava com ele e confesso que me surpreendi.

Meu amigo realmente melhorou de vida, e melhorou bastante. Antes possuía um carro usado, básico, sem acessórios, hoje é proprietário de um veículo novo, daqueles que tem cheiro de concessionária. Tão brilhante que semana sim, semana não, recebe uma lavagem completa no posto. Antes morava de aluguel, no subúrbio. Agora já mora na zona sul e paga um condomínio que condiz com o luxo da portaria do edifício. Suas compras que antes eram feitas no comércio popular do centro da cidade, passaram a ser realizadas em grandes shoppings. E seu cartão de crédito ganhou novos e importantes limites, assim como mensalidades e diversas taxas.

Voltei a refletir sobre como alguém que melhorou consistentemente de vida continuava reclamando.

No meu entender, há uma grande confusão no senso comum sobre o que é mudar de vida e o que é melhorar de vida. E nesse conceito, ficou claro que meu amigo mudou de vida. Entretanto, por suas queixas e reclamações, ele definitivamente não melhorou de vida.

A maioria de nós distribui rótulos. A gente encontra alguém, avalia e “plaft”, estampa um rótulo. No caso do meu amigo, por ele ter um carro melhor, por ter mudado de bairro, assumiu-se que ele está melhor. Bom, é certo dizer que ele tem coisas melhores, não necessariamente está melhor.

E ousando seguir nesse estudo, agora ele tem mais gastos, mais despesas e talvez mais dívidas e mais preocupações com os cuidados aos novos (e caros) bens. E isso o deixa estressado e reclamão.

Se vale a pena ou não, é prudente não responder pelos outros, afinal, cada um sabe onde o sapato aperta mas, fica uma lição: avaliarmos o que ganharemos e perderemos com nossos objetivos.

Qual seu sonho? O que você ganhará e perderá? 

o mapa e o GPS

o mapa e o gps


No seu dia-a-dia, na sua carreira, na sua vida, você quer um mapa ou um GPS?

Pense bem: você quer um mapa, que traz uma visão ampla, que te permite analisar possibilidades e escolher melhores rotas ou, um GPS que diz exatamente as ruas em que deve transitar?

Muitos preferem receber instruções precisas e abrem mão de tomar suas próprias decisões. Entendem que devem caminhar junto com o todo, apenas seguindo o fluxo.

Outros optam por protagonizar. Decidem, escolhem. Nem sempre tomam as melhores decisões, é verdade, mas aprendem. E esse aprendizado é o que os diferencia.

E quem assume os riscos? Talvez aí se encontre a maior diferença. Quando o GPS escolhe uma avenida e esta não é a melhor opção, de quem é a culpa? Porém, se você estuda um mapa e decide pela avenida errada, a responsabilidade é toda sua – assim como a liberdade e todas as oportunidades que venham a surgir.

Ah, sim! De fato é muito mais trabalhoso analisar um mapa de ruas, contudo, terá mais alternativas, opções. Ao surgir um imprevisto, um acidente ou engarrafamento nas estradas da vida, poderá buscar rotas alternativas. Também não cairá em vielas ou ruas sem saída. Não dependerá de atualizações do dispositivo falante e autoritário.

Vale outra reflexão. O mapa está lá e pode ser consultado quantas vezes necessário e com isso novos caminhos podem ser determinados a qualquer tempo, em função dos novos aprendizados. O GPS, depois de determinado o destino, seguirá sempre aquele caminho. Caso você opte por não seguir alguma das indicações, ele até poderá ajustar a rota, mas para devolvê-lo para o caminho determinado inicialmente. Ele não incorpora os aprendizados. Insistirá no erro.

Você quer um mapa ou um GPS?